Your name

 

Hoje vento sentiu saudades
Saudades que não deveria sentir
Sentiu tanto que quando lembrou, ouviu uma voz.
Uma voz rouca ao acordar
Dar bom dia
E dizer que estava com fome.

Diria que estava sempre com fome
Principalmente quando se tratava de batatas
Pois era ávida devoradora
E sorria como criança quando se via perante elas

E, vejam, nem precisou rimar
Ou se utilizar de rebuscados termos para dizer que havia sentimento
Mesmo em si enquanto vento.
Existe
Sentimento demais
Muita saudade e nem se sabe de quê

Não saberia definir qual o motivo de sentir
Mas ela existe
E incomoda toda vez que lembra
É muito estranho, pois não deveria
Não deveria incomodar
Não deveria nem mesmo sentir saudade

Poderia mesmo odiar a sua detentora
Mas não o faz
Não a odeia por não ter feito mal
Pois fez
Fez o mal maior
Quase o apagou, desfez, matou.

Chegou, prendeu em seu sorriso, sua conversa, suas idiossincrasias
Prendeu com seus gostos peculiares e alguns muito próximos
Provou ser idêntica em diversos aspectos àquele garoto
Obrigou, talvez sem querer, a afogar em sentimento
Pobre, tolo…
….Garoto
Afogado e esquecido
E então relembrado
Tanto tempo depois de ter ido embora.

Lembrou de si, enquanto garoto
Lembrou de algo escondido no mais distante recôndito da mente
Disso tudo
De tudo que foi obrigado a sentir indiretamente
Por um pequeno detalhe
Vindo do leste
Sua persona….
Seu nome…

Anúncios

2 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s